Abrindo o meu coração

O meu trabalho é algo que carrega um estigma social muito grande e por vezes, várias vezes, eu sofri preconceito e tive vontade de desistir. A imagem que as pessoas criam da gente é algo muito pesado, muito difícil de lidar… Pois o que temos é apenas um conhecimento teórico, também sentimos medo, insegurança, vontade de agradar… E as pessoas acham que você é mais do que é de fato.

Entretanto, tirando o lado ruim da profissão, há momentos que enche nosso coração de alegria e da força para continuar. Hoje irei contar uma historinha de algo que me aconteceu durante a semana.

Eu estava aqui na loja tranquilamente fazendo o meu trabalho interno, e de repente, me chega uma senhora, daquelas senhorinhas fofas de filme sabe? Então, ela era linda e exigente…

Confesso que no inicio fiquei meio sem paciência. Mas fui ouvindo ela, e comecei a perceber que história linda ela estava me passando. No auge dos seus 70 anos, com o marido um pouco mais novo, 7 anos de diferença… e com vida sexual ativa. Ela buscava um gel lubrificante para ajudar nos momentos íntimos, por conta do ressecamento vaginal etc e tal.  A irritação que eu senti no início foi passando e fui criando um sentimento de carinho por ela.

Que coisa linda!!! Os anos se passaram e ela ainda procurava formas de manter a chama do relacionamento acesa.  É claro que você pode pensar… a Priscila, mas sexo não é tudo. E é verdade, realmente sexo não é tudo, mas é um complemento que faz parte da nossa vida diária. E ter casais estáveis, de idade, namorando, trocando carinho, alimentando o amor, a forma apaixonada que ela falava dele… isso me encanta. E me dá um prazer de trabalhar nessa área pois é isso que eu prego, não vendo “sacanagem”, eu vendo felicidade aos casais estáveis que buscam inovar e resgatar a chama do amor.

Pensando em tudo isso, eu me lembrei da pessoa que tem o meu coração agora, uma pessoa de coração lindo, que tem uma pureza, um encanto, que me faz apaixonar a cada sorriso. É uma delícia  o ser que me faz escolhê-lo todos os dias, quando eu acordo e quando eu vou dormir. E quando estivermos velhinhos… Eu sei que ele ainda será a minha escolha, o meu rosinha.

Fiquei tão encantada com a história da minha cliente que senti que também quero encantar as pessoas com o sentimento lindo que eu tenho pela pessoa amada, pois é tão puro, tão mágico, tão intenso e verdadeiro… Que tenho certeza, que um dia quando estivermos velhinhos e eu contar para alguém, trará essa mesma sensação de leveza e paz que a minha cliente me transmitiu.

E assim, com todo esse sentimento de realização profissional e afetividade pelos meus clientes, eu vou acalmando o meu coração e deixando de lado o peso da profissão.


Deixe um comentário:

comentário(s)

2 Comentários


  1. Boa noite Priscila!

    As vezes a profissão nos proporciona cada coisa, que pensamos em desistir, mas o grande diferencial é seguir em frente para desfrutar das realizações. Você esta no caminho certo, força e muita sabedoria a você na busca de sei ideal.

    Parabéns e muito sucesso!!!

    At.:
    GT

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *